EQUIPE CATAVENTO: Rubens Xavier Faria, professor de capoeira

“A capoeira apoia o desenvolvimento das crianças, porque trabalha a coordenação motora, o equilíbrio, a motricidade, a musculatura, o ritmo e os reflexos. É uma atividade física completa. Além de todos os benefícios físicos, também traz a musicalidade. O som do berimbau e do pandeiro encanta as crianças. É indicada para crianças de todas as idades, sem restrição”.

Rubens Xavier Faria

O professor Rubens brinca com ele mesmo. “Quem me vê aqui lembra logo daquele filme Um tira no jardim de infância”, fazendo piadas com o clássico do ator Arnold Schwarzenegger, em que ele interpreta um policial que se vê tendo que cuidar de crianças de uma escola de educação infantil e apronta a maior confusão.

De fato, à primeira vista, a cena é curiosa. O Mestre Macula (como é conhecido nas rodas de Capoeira), lutador de MMA e de várias outras modalidades, como jiu jitsu, boxe e judô; que treina adultos para defesa pessoal e é personal fighter, do alto de seus quase 1,90m, brincando com bebês e crianças, sentado em roda e cantando cantigas da infância.

Mas quem conhece Rubens conhece logo também sua doçura e se acostuma a chegar na Catavento e encontrar o professor encantando as crianças com suas músicas e coreografias na aula de capoeira; ou com as atividades recreativas que propõe no jardim ou no pátio.

O professor tem uma vasta trajetória com educação e chegou a ser dono de uma escola, mas foi na Catavento que se encontrou. “É a primeira escola em que trabalho que possui esta filosofia de deixar a criança livre para aprender. Sob olhar atento dos adultos e com muito carinho e cuidado, mas com liberdade para descobrir, que é como a infância tem que ser”, conta Rubens.

Myrian Bayeux, diretora da escola, se enche de orgulho e alegria para falar do educador. “Rubens é muito atencioso e competente; ético e correto. As crianças amam brincar com ele, e isso diz muito do que precisamos saber sobre um educador”.

Histórias pra contar

O papo com Rubens é sempre descontraído. Contador de histórias, ele vai tirando da cartola episódios curiosos da sua carreira. E faz mais piadas com seu próprio tamanho. Além da brincadeira com o filme de Schwarzenegger, ele conta – rindo de si mesmo – que parece mentira, mas começou a lutar, porque apanhava na escola e tinha medo dos colegas. “Cheguei a parar de estudar, mas a luta me deu força e sorte. Depois que comecei, não quis mais parar”, explica.

Natural de Belo Horizonte, foi o MMA que o trouxe para São Paulo. Na época, ele trabalhava com o famoso lutador Vitor Belfort. “Naquela época, já me chamavam de Macula nos treinos. Quando cheguei em SP, participei de um programa de TV e o apresentador me anunciou assim. Fiquei bravo, mas me deu sorte”, explica, contando a origem do apelido, que também é o nome da marca que os senhores de engenho faziam em seus escravos para identificar quem eram seus “donos”. “O apelido também está relacionado com um dado da nossa cultura afrodescendente, então, faz ainda mais sentido, já que a capoeira é herança negra”, diz.

Em São Paulo há 15 anos, Rubens é o irmão mais velho de três homens. Um deles seguiu a carreira de lutador. Mesmo tendo na luta seu passaporte para uma carreira que o levou a ter uma marca e a viajar e conhecer o mundo (ele esteve na Bélgica, Alemanha, Dinamarca e Japão), seu coração é da educação. “Larguei a luta, porque viajava muito e, porque às vezes chegava machucado na escola. Não combinava com meu tempo e com meu trabalho aqui, que é o que amo fazer”, conta.

O encontro com a Catavento aconteceu por acaso. “Queria voltar a dar aula para crianças, porque gosto muito. É muito gratificante. Então, mandei meu currículo. Quando fui entrevistado, sabia que queria vir para cá. Comecei no dia seguinte”, lembra. Na escola, Rubens é professor de Capoeira e também cuida das atividades físicas e de recreação. “Gosto de acreditar que ajudo as crianças a se descobrirem através do corpo, do movimento e da dança”, diz.

E basta passar alguns minutos por perto, acompanhando o trabalho de Rubens com os bebês e as crianças para constatar que de fato, ele as encanta e as conduz por este caminho, arrancando delas os sorrisos que ele arranca de qualquer um, quando narra tão divertidamente sua história.

Rubens Xavier Faria é pedagogo, licenciado e bacharel em educação física, com experiência em aulas de capoeira direcionadas para a educação infantil.

Confira algumas imagens do professor Rubens

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *