EQUIPE CATAVENTO – Thamires Satiro Jovanelle

Quem no dia-a-dia encontra Thamires Satiro Jovanelle na Catavento percebe rapidamente seu jeito meigo e sua timidez. De voz e postura suaves, ela cuida de cada palavra e de cada gesto para se expressar da forma mais respeitosa que pode.

Mas a professora – que está à frente da turminha do BII – se transforma quando está em roda com as crianças; e reconhece que seu maior dom como educadora é conseguir mantê-los concentrados, ouvindo uma de suas histórias. “Eles prestam atenção e participam”, diz. “Na roda com as crianças, ela se transforma. As crianças ficam encantadas e envolvidas”, conta a diretora Adelia Morelli.

Thamires explica que tem uma relação amorosa com as crianças. “É muito prazeroso trabalhar com eles, porque com as brincadeiras e o carinho que eles nos trazem, esquecemos de tudo. Esquecemos dos problemas”, afirma.

Esperança e conexão

Ao dedicar presença e atenção às crianças, enxergamos o que importa. Elas nos fazem olhar para isso. E este potencial faz Thamires atribuir à educação a qualidade de esperança. “Somente a educação pode transformar o mundo. Pode ser um caminho, uma oportunidade. Quem tem uma boa educação, tem tudo”, diz. Ao afirmar isto, ela se recorda da época em que trabalhou como líder de crianças e jovens na região periférica de São Paulo, nos bairros de Vila Brasilândia, Morro Grande e Vila Zatt. “Vi famílias muito desestruturadas. E crianças precisando desta educação, deste carinho e desta atenção para terem uma oportunidade”, lembra, emocionada.

Foi fazendo este trabalho com jovens e crianças que Thamires se sentiu chamada pela pedagogia. “Comecei a estudar e me apaixonei. Trabalhei em outra escola por pouco tempo e depois vim para a Catavento, como auxiliar”, recorda. Adelia lembra que ao perceber a conexão de Thamires com as crianças menores, enxergou seu potencial. “Ela se dava muito bem com os bebês. E isso já diz muito sobre a pessoa. Demonstrou responsabilidade, dedicação e confiança e fomos acompanhando seu crescimento”, diz.

Thamires começou no berçário e depois passou a ser auxiliar. Este ano, assumiu o BII como professora. A aposta da escola em seu desenvolvimento profissional aumenta ainda mais seu sentimento de gratidão. “Fui acolhida aqui como nunca seria em outro lugar. Aqui, posso falar, contar que preciso de ajuda e sou ouvida e atendida”, diz.

A professora conta que o mais gosta na escola é de brincar, passar tempo com as crianças e contar histórias. E é ali onde ela se sente mais confortável e feliz: integrada à roda e encantando os pequenos.